O ano de 2020 foi repleto de mudanças e para o e-commerce as mudanças foram positivas e trouxeram excelentes resultados. O e-commerce brasileiro teve sua maior alta nos últimos 20 anos, segundo informações da 42ª edição do Webshoppers, realizado pela Ebit|Nielsen.

Porém, com essa expansão, vieram também diversas falhas por parte das empresas, que não estavam preparadas para esse crescimento repentino. Maurício Vargas, Fundador e Presidente do Reclame Aqui, falou para o Ecommerce Brasil sobre os erros e os acertos do comércio eletrônico do Brasil em 2020.

Se tratando desse cenário de pandemia e da modernização das lojas, ele acredita que o principal acerto foi a agilidade, “O e-commerce no Brasil teve muita agilidade para melhorar os seus processos. Com isso, quem ganhou foi o próprio consumidor.  Existiram investimentos em várias tecnologias e em atendimento, de maneira que o e-commerce superou com certeza toda essa pandemia, gerando um aumento de 30% a 40% no faturamento para muitas empresas”.

“E o principal erro foi ter colocado todo mundo para dentro. Foi um grande erro do e-commerce colocar gente inexperiente para dentro. É preciso educar os pequenos e microempresários para entrar no e-commerce.  As operações físicas são totalmente diferentes das online. Quando a Magalu colocou um monte de gente para dentro [do marketplace], foi para ajudar as pessoas. Mas lá na frente isso causou alguns problemas, tanto para o marketplace da Magalu, quanto para os pequenos empresários que começaram a vender”, explicou Maurício.

O Reclame Aqui se tornou uma ferramenta muito útil para que os lojistas possam entender os principais problemas dos consumidores e dessa forma podem corrigir ou até mesmo evitar cometer esses erros.

De acordo com o Fundador, o Reclame Aqui, o site recebe a visita de cerca de 30 milhões de consumidores todos os meses, sendo que apenas um milhão faz reclamações, ou seja, o restante apenas pesquisa a credibilidade das empresas.

Informações: Ecommerce Brasil

LEIA MAIS:

Ebit Nielsen aposta num crescimento de 26% no e-commerce brasileiro em 2021

Lojas online serão opção da maioria dos brasileiros que buscam ideias de presentes