Este ano, por conta de todo cenário, com a pressão de preços e a falta de insumos, a Black Friday pode ter descontos menos agressivos.

A pandemia impulsionou o e-commerce,  mas,  por outro lado, causou uma retração econômica em vários segmentos da indústria, o que acabou gerando uma redução da capacidade produtiva e muitas vezes faltam mercadorias a disposição.

Quando se trata de grandes marketplaces, essa questão fica menos evidente, porém lojistas menores costumam ter uma capacidade mais limitada para renovação do estoque. Portanto, neste ano, o cuidado precisa ser ainda maior na hora de escolher os produtos que terão desconto, por exemplo os itens com mais índice de procura, porque neste caso o lojista abre mão da margem de lucro e corre o risco de ficar sem mercadoria nos próximos meses.

E está faltando insumos para grande parte da indústria, sendo que muitas lojas acabam tendo que retirar alguns produtos do catálogo por conta disso. Os fabricantes chegam a aumentar o prazo de entrega por conta dessa falta, o que acarreta problemas aos comerciantes.

Pensando em tudo isso, os empreendedores do comércio eletrônico precisam fazer revisões bem detalhadas na coordenação de processos e estoque da loja, redobrando a atenção com os fornecedores, prazos de entrega e embalagens.

Confirme as disponibilidades dos produtos com o fornecedor, confirme os prazos de entrega, reveja o seu controle de estoque para conferir se está atualizado, calcule o número de embalagens, tudo isso é de grande importância.

Boas vendas e até a próxima!

Informações: Ecommerce Brasil

LEIA MAIS:

Mesmo com a reabertura do comércio físico, e-commerce continua crescendo

Relatório Webshoppers: Em 20 anos, e-commerce tem sua maior alta